quarta-feira, 30 de julho de 2014

Tijolinho do Jolugue: IBOPE aponta um cenário preocupante para Eduardo Campos em PE

Nos últimos dias, o ex-governador Eduardo Campos intensificou a campanha em Pernambuco, colando sua imagem junto a do seu candidato, Paulo Câmara. Logo se especulou que, diante das dificuldades de sua candidatura presidencial, a melhor opção seria evitar um vexame maior como, por exemplo, sofrer uma derrota no seu quintal. Conforme informamos ontem, algumas mudanças foram feitas no staff de campanha do candidato ao Governo, o que é muito comum nessas ocasiões, até porque ninguém assume quem pariu mateus. A escolha do nome de Paulo foi marcada por uma série de circunstâncias políticas específicas, o que contingenciou a escolha, que acabou recaindo sobre um nome não muito feliz para a disputa, oriundo da cozinha do Campo das Princesas. Um técnico, cobrador de impostos, desconhecido do eleitorado, num momento em que o seu tutor não reúne condições de carregar o andor. Um nome fraco, pouco competitivo, disputando uma eleição com um senador da República, um político experiente, com bom trânsito junto ao capital - pela origem de classe - e ao trabalho, uma vez que a aliança com o PT aparou suas arestas junto com uma federação importante como a FETAPE, tradicionalmente ligado aos socialistas. Enquanto Paulo foi literalmente "pinçado" e imposto por um capricho, Armando já vinha comendo terra fazia alguns anos, viajando aos domingos para o interior,adubando suas bases eleitorais, a exemplo do Dr. Arraes.Eleição é um quadro que apresenta muitas variáveis, um deslize qualquer pode representar uma defenestração de uma candidatura, mas, pelo andar da carruagem política, a turma da Frente Popular está na retaguarda e bastante acuada. Se o pessoal da oposição mantiver a cabeça no lugar, segurar bem essas rédeas, Eduardo Campos poderá ser derrotado em seu próprio Estado, o que representaria um fim político melancólico para uma jovem liderança que pode ter cometido alguns erros de avaliação imperdoáveis.

Foto: IBOPE aponta um cenário preocupante para Eduardo Campos em PE. 

Nos últimos dias, o ex-governador Eduardo Campos intensificou a campanha em Pernambuco, colando sua imagem junto a do seu candidato, Paulo Câmara. Logo se especulou que, diante das dificuldades de sua candidatura presidencial, a melhor opção seria evitar um vexame maior como, por exemplo, sofrer uma derrota no seu quintal. Conforme informamos ontem, algumas mudanças foram feitas no staff de campanha do candidato ao Governo, o que é muito comum nessas ocasiões, até porque ninguém assume quem pariu mateus. A escolha do nome de Paulo foi marcada por uma série de circunstâncias políticas específicas, o que contingenciou a escolha, que acabou recaindo sobre um nome não muito feliz para a disputa, oriundo da cozinha do Campo das Princesas. Um técnico, cobrador de impostos, desconhecido do eleitorado, num momento em que o seu tutor não reúne condições de carregar o andor. Um nome fraco, pouco competitivo, disputando uma eleição com um senador da República, um político experiente, com bom trânsito junto ao capital - pela origem de classe - e ao trabalho, uma vez que a aliança com o PT aparou suas arestas junto a uma federação importante como a FETAPE, tradicionalmente ligado aos socialistas. Enquanto Paulo foi literalmente "pinçado" e imposto por um capricho, Armando já vinha comendo terra fazia alguns anos, viajando aos domingos para o interior,adubando suas bases eleitorais, a exemplo do Dr. Arraes.Eleição é um quadro que apresenta muitas variáveis, um deslize qualquer pode representar uma defenestração de uma candidatura, mas, pelo andar da carruagem política, a turma da Frente Popular está na retaguarda e bastante acuada. Se o pessoal da oposição mantiver a cabeça no lugar, segurar bem essas rédeas, Eduardo Campos poderá ser derrotado em seu próprio Estado, o que representaria um fim político melancólico para uma jovem liderança que pode ter cometido alguns erros de avaliação imperdoáveis.

CNI: Dilma deu uma surra

Redes sociais e Aecioporto: ele é um zero à esquerda




Do Muda Mais:

DILMA GANHA EMBATE NAS REDES DURANTE EVENTO NA CNI

O Muda Mais analisou o desempenho dos candidatos à presidência nas mídias digitais durante o evento “Diálogo da Indústria”, realizado hoje (30/7), pela Confederação Nacional da Indústria (CNI). Dilma ganhou,  tanto em volume quanto em sentimento positivo.

Mais de 7.025 menções foram registradas para Dilma, enquanto Aécio teve somente 4.555 menções e Campos outras 1.534 menções. Vale notar que  tais números foram contabilizados logo após o encerramento do evento (17h),  ainda sem muita influência da repercussão das matérias nos grandes portais.

Dilma também foi melhor avaliada que Aécio e Campos. Enquanto 93,89% das menções a Dilma foram favoráveis nas redes, Eduardo Campos contou com 78,94% de menções positivas, e Aécio Neves teve 66,23% de menções favoráveis. Tal cenário nos permite concluir que, quando os três candidatos são confrontados, não só Dilma é mais comentada nas redes, como também é mais bem falada. Era o que todo mundo já desconfiava e agora pode ter certeza. Enquanto, Aécio e Campos são adeptos do “falem mal, mas falem de mim”, Dilma fica no propositivo, no abundante, no “falam bem e falam muito de mim”.

Em tempo: nos três tuitaços promovidos ao longo do evento, nossa brava militância deu um show.  O #EduardoeMarinaEramNadaParecidos teve como destaques em número de mensagens @thirodrigo285 e @WillEwen (3º). Já no tuitaço #AeciopousounaCNI, destacaram-se @AeroNeves e @eduardobahia. E a grande estrela do dia, o tuitaço #DilmaDivanaCNI teve como destaques os perfis @CacoBrasil2 (2º) e @FidorAndrade (3º). E, claro, o Muda Mais, nos três tuitaços. Se você ainda não segue algum deles, #ficadica.

A hashtag #AeciopousounaCNI esteve sempre muito à frente da hashtag #EquipeAN. Até publicarmos este post, às 17h, #AeciopousounaCNI havia recebido mais de 1.000 citações e #EquipeAN tinha menos de 800, de acordo com o Topsy.



Clique aqui para ler ” CNI: Dilma deu uma aula de ‘Estado Eficiente’”

E aqui para “Dilma quer carga tributária igual à dos concorrentes”


Em tempo:

Ainda no Muda Mais:

AÉCIO NA CNI: PRIVATIZAÇÃO, PESSIMISMO, MEDIDAS IMPOPULARES E MUITO MAIS


Após pousar na CNI, para participar do Diálogo da Indústria com candidatos à Presidência da República, Aécio Neves falou sobre economia, política externa, educação, gestão e pessismismo. 

Aécio ressaltou “os resultados pífios da economia brasileira”. Pois bem, como estamos aqui para desmentir os boatos e divulgar as informações corretas, vamos relembrar ao candidato que a situação econômica do Brasilestá bem longe da estagnação.

Importante relembrar que só o Brasil enfrentou a crise gerando renda e emprego. Como o ex-presidente Lula já frisou, “somos hoje a 7ª economia do mundo, com um PIB que passou de US$ 550 bilhões em 2002 para mais de US$ 2 trilhões e 200 bilhões em 2013″. Sem contar que, dos países que compõem as vinte economias mais ricas do mundo (G20), o Brasil foi um dos nove a registrar uma taxa de crescimento acima de 2%.

Aécio diz que “o atual governo falhou na condição da economia”, mas esquece de apresentar propostas concretas em relação à economia. Inclusive, crescimento econômico só é válido quando acompanhado dadiminuição da desigualdade, o que vem sendo feito nos últimos anos no Brasil. O candidato citou também ocrescimento econômico na Europa (oi?) e o fortalecimento da economia americana, mas já mostramos aqui que o Fundo Monetário Internacional (FMI) reduziu a projeção de crescimento dos Estados Unidos para 2014, de 2,8% para 2%.






Aécio Neves insiste em colocar como referências internacionais únicas os mesmos parceiros de antigamente. Nos últimos 12 anos, o Brasil conquistou reciprocidade, tornou-se a 7ª economia mundial, é líder na política internacional, acabou de fundar o banco dos BRICS e tornou-se credor do FMI.

O candidato tucano também confundiu privatização com parcerias público privadas. Falou que o o “atual governo demonizou as privatizações e parcerias com setor privado.”Aécio demonstrou todo seu desconhecimento do que vem acontecendo no Brasil ao defender o investimento em infraestrutura. Não sabe que hoje o Brasil vive em um cenário de segurança jurídica, construído ao longo dos últimos 12 anos, justamente para que empresas nacionais e estrangeiras invistam mais em infraestrutura no país, como temos visto nos portos, aeroportos, ferrovias, rodovias, etc.




De acordo com notícia do Valor Econômico, os investimentos em infraestrutura totalizarão R$ 509,7 bilhões no período entre 2014 e 2017, o que representará alta de 36,2% frente a 2009-2012. Isso se dá graças às políticas implantadas pelo atual governo.

Sendo de um partido que quando esteve à frente do Governo Federal privatizou tantas empresas quantas teve tempo, não nos causa estranheza que sua visão seja exclusivamente de privatizar e tirar o patrimônio do país. Já o modelo implantado pelo atual governo visa manter o patrimônio com o povo brasileiro e permitir o investimento conjunto de empresas.

Como Dilma já afirmou: “A pauta de produtividade se sustenta em quatro pilares: infraestrutura, educação, inovação e construção de um Brasil sem burocracia. Todas essas quatro iniciativas são estratégias e serão viáveis dentro do projeto da parceria público-privada. Investir em rodovias e ferrovias, estratégia para que o Brasil cresça e aumente sua capacidade de escoar sua produção a menores custos”, disse Dilma.

O candidato tucano à presidência da República, Aécio Neves, tentou fazer colar mais uma vez o velho discurso dopessimismo, ao dizer que o país perdeu a capacidade de inspirar expectativas positivas na economia brasileira. Parece que o candidato está se informando mal sobre a realidade do país.

Relatório divulgado ontem (29) pelo Fundo Monetário Internacional destacou que os níveis de reserva permanecem adequados ou acima do adequado na maioria das economias emergentes e citou o Brasil como exemplo de reservas que estão acima da faixa sugerida pelo Fundo.

Também não podemos esquecer que as empresas não costumam investir para perder. E o nível de investimento de empresas na infraestrutura do país é crescente. O país alcançou um status de segurança jurídica que vem atraindo investimentos de empresas brasileiras e estrangeiras.

Mais uma vez,  Aécio tentou mudar o que disse no passado – que estava disposto a tomar medidas impopulares – e fala que, na verdade, são medidas necessárias. Mas deixa claro que, para ele, as medidas “necessárias” não são populares.

E acusou a presidenta Dilma de, ela sim, tomar medidas impopulares. Então, Aécio mostra mais uma vez não conhecer o país que quer governar. Ele poderia começar conhecendo a série O Brasil que Conquistamos, ou talvez analisando o aumento real do salário mínimo nos últimos anos e a geração de emprego, que superou o número de 5 milhões no governo Dilma. O que Aécio precisa é conhecer mais o Brasil real e não ficar só com o que ele vê por meio da mídia.

Aécio Neves também falou sobre o programa Ciência Sem Fronteiras que, lançado há apenas 3 anos, já concedeu 83,2 mil bolsas para brasileirxs estudarem em 43 países e deverá lançar 101 mil em sua segunda fase, o Ciência sem Fronteiras 2.0.

No entanto, o candidato pareceu desconhecer parte das diretrizes do programa, ao afirmar que “o Brasil não tem o costume da outra via de atrair pesquisas para nossas universidades, para melhorar a inovação e competição”. Mas vamos ajudar o candidato a entender melhor o programa e os investimentos em inovação no país.

Como falar em mais competitividade e inovação se o programa dá oportunidade única para os estudantes e é um salto para que o Brasil inove e se torne cada vez mais competitivo? Antes do Ciência sem Fronteiras, estudar no exterior era para poucos. O Brasil concedia uma média de 5 mil bolsas de estudo no exterior por ano, em geral para mestrado e doutorado. Mas a situação mudou: somente nos últimos três anos já foram concedidas 83 mil bolsas.

Sabemos que o país do futuro investe em qualificação profissional, e é o que o governo federal tem feito nos últimos anos. Inclusive, recentemente, uma matéria da revista Nature, especializada em inovação e tecnologia, mostrou que o Brasil é o país que mais investe em produção científica na América Latina. Sim, é verdade. O Brasil é o único país do continente a destinar mais de 1% de toda a sua economia para pesquisa e desenvolvimento.

O tucano Aécio Neves deve estar conversando muito com o candidato do PSB à presidência, Eduardo Campos. Afinal, assim como o colega, falou em obras inacabadas do governo federal. Bom, tem aquelas que estão em andamento. Daí não acabaram mesmo, né? Para ter uma ideia, só no Nordeste o Programa de Aceleração do Crescimento – PAC2 já investiu em mais de 20 mil obras. Em todo o Brasil, o Programa já concluiu 95,4% das ações previstas para 2011-2014 e executou 84,6% dos recursos previstos até o final deste ano.

O candidato afirmou ainda que acredita na gestão pública eficiente e afirma que deu demonstrações claras disso no governo de Minas. Ah, Aécio, aí não, né? Não podemos esquecer dos mais de 90 mil funcionários que ganharam status de servidor em Minas sem terem sido aprovados em concursos. Prática que rendeu uma decisão desfavorável à sua gestão pelo Superior Tribunal Federal (STF), e a consequente demissão de 90 mil trabalhadores.

Para tentar melhorar sua imagem, o governo de Minas recorreu até à prática de distorção de dados em sua propaganda, conforme noticiou O Estado de S. Paulo. Mas não conseguiu esconder a dívida que Aécio deixou de herança para o governador Antônio Anastasia, que chega a quase R$ 19 bilhões em empréstimos com bancos de fomento nacionais e internacionais e R$ 67,4 bilhões em dívidas com a União, sendo o segundo estado mais endividado do Brasil.

O candidato tucano falou ainda que governo atual prejudica a Petrobras. Então, dar condições para a empresa bater recorde atrás de recorde é prejudicar, Aécio?

E no final de seu discurso, mostrou mais uma vez seu descolamento com a realidade: “Não vai me faltar coragem para tomar todas as medidas necessárias para que o Brasil encerre esse ciclo perverso”. O ciclo que o Brasil está vivendo é um ciclo de diminuição da desigualdade, acesso ao consumo, geração de empregos, aumento real do salário mínimo, valorização das empresas nacionais. É com esse ciclo que Aécio quer acabar?
(Publicado originalmente no site Conversa Afiada)

Tijolinho do Jolugue: Terrorismo econômico contra Dilma Rousseff




Por falar em economia, mesmo depois da excelente performance da presidente Dilma Rousseff na sabatina promovida pela CNI, onde, na condição de presidente, apresentou argumentos consistentes contra os seus adversários - que, além da torcida do contra olham o cenário como expectadores pessimistas - logo em seguida, depois do terrorismo econômico do Banco Santander, os jornais do PIG voltaram a falar mal da condução da política econômica, dando o mote dos torpedos hoje dirigidos à sua gestão, ou seja, uma indisfarçável campanha de terrorismo econômico como forma de tentar corroer sua imagem junto ao eleitorado. A manobra já teria sido identificada pelo Planalto. 

Tijolinho do Jolugue: Aécio teria sido vítima do "fogo amigo" tucano?



O PIG está onde sempre esteve. Quando surgiram as denúncias das irregularidades do aeroporto construído com dinheiro da Viúva nas terras de um primo do candidato Aécio Neves, quando este ainda era governador do Estado de Minas Gerais, logo veio a surpresa: Por que a Folha - um jornal identificado com os setores conservadores - estaria dando ênfase a uma matéria que poderia desgastar a imagem de um candidato do chamado status quo? Para alguns analistas, Aécio Neves, que já vinha em pane, sem rota definida, foi abatido em pleno voo. Uma análise mais apurada, no entanto, certamente, nos levaria à conclusão do enredo do que estava por trás, quem sabe, um "fogo amigo", uma notícia plantada por gente do próprio tucanato, como sugere o jornalista Luiz Azenha. O vazamento poderia ser reflexo de uma disputa interna do seu staff econômico, embora Serra sempre seja o culpado nessas ocasiões.

Eduardo Campos e o Banco Central


WADIH DAMOUS*
O candidato Eduardo Campos faz campanha pisando em ovos. Cala-se sobre seu aliado Aécio Neves, critica Dilma Roussef e, sempre que pode, elogia Lula, que detém muito prestígio em sua base eleitoral, Pernambuco.
Em linhas gerais, Campos limita-se a repetir platitudes do tipo: "Vou manter o que está funcionando e mudar o que não vai bem".
Recentemente, porém, foi obrigado a se definir com relação ao Banco Central. E abraçou a proposta mais cara aos neoliberais: a independência formal do BC em face do governo.

A explicitação de uma proposta nos dá a possibilidade de, enfim, debater alguma ideia do candidato.
Ora, o BC já é independente na prática. Até excessivamente, o que é um problema. Afinal, ele é um dos mais importantes instrumentos de uma política econômica -- seja ela qual for. Buscar a formalização legal disso é um passo além. Só ajuda a consolidar uma situação esdrúxula.
A maioria dos neoliberais -- além dos representantes do sistema financeiro, claro -- concorda com Campos e defende a independência do BC. Se esta for aprovada formalmente, sua diretoria, que historicamente já tem sido ocupada por figurões oriundos dos grandes bancos, teria total autonomia em relação ao governo. Seus diretores contariam com um mandato, tendo estabilidade e não podendo ser removidos nem pelo presidente da República.
Alguns vão até mais longe e sugerem que sequer os mandatos na direção do BC e na Presidência coincidam. A intenção é clara: desvincular o BC do governo federal, blindando-se suas diretorias, que, há décadas, têm sido compostas por neoliberais.
Do ponto de vista do país, que sentido a proposta? O que justificaria retirar das mãos do presidente da República o controle sobre o banco, abrindo mão do controle sobre a política desenvolvida por ele e do poder de decidir eventuais correções? É um evidente absurdo.
Os argumentos a favor da independência do BC chegam a ser primários.
O mais utilizado sustenta que ele deve ter uma administração competente, trabalhar com metas e ser preservado da demagogia e da chamada pequena política. De total acordo. Mas, que setor na administração pública não deve ser dirigido dessa forma? Que setor poderia ser tomado pela politicagem: saúde, educação, transportes, energia, habitação?
É bom se ter em mente que o BC não lida apenas com metas de inflação. Suas decisões influenciam o conjunto da economia. Nível de emprego, crescimento econômico, equilíbrio da balança de pagamentos, para ficar somente nesses pontos, também são diretamente impactados pela gestão do BC.
Qual o sentido, então, de dar a tecnocratas maior poder do que os que possui o presidente da República, que foi conduzido ao cargo pelo voto popular, na definição dessas políticas?
Por fim, cabe uma pergunta incômoda: se a diretoria do BC fosse composta por economistas de esquerda, os que defendem a independência do banco continuariam sustentando essa posição?
Eu apostaria que não.
*Presidente licenciado da Comissão Nacional de Direitos Humanos da OAB e da Comissão da Verdade do Rio

Tijolinho do Jolugue: Que mancada, Santander. Os bancos nunca lucraram tanto como nos Governos petistas.


Dizem que, ao se pronunciar sobre as lambanças cometidas pelo Banco Santander, o ex-presidente Lula teria emitido algumas palavras ácidas. Não era para menos. Todos nós conhecemos a obra de engenharia política montada para alçar um ex-operário, do andar de baixo, ao mais alto posto do Executivo Nacional, o de Presidente da República. Com muita propriedade, vez por outra, Lula reconhece as concessões oferecidas ao capital, como a tese - nunca contestada - de que os bancos foram as instituições que tiveram lucros estupendos durante o seu Governo, possivelmente maior do que aqueles lucros obtidos em governos mais afinados com o status quo econômico. O Santander deu uma guinada de 360 graus atrás, ao remontar aquela espécie de terrorismo do qual foi vítima o próprio Lula, anos atrás, quando o banqueiro Olavo Setúbal, do Banco Safra, informou à comunidade financeira de que haveria uma diáspora do capital caso aquele operário fosse eleito. Que mancada!!!

Foto: Que mancada, Santander. Os bancos nunca lucraram tanto do que nos Governos petistas. 

Dizem que, ao se pronunciar sobre as lambanças cometidas pelo Banco Santander, o ex-presidente Lula teria emitido algumas palavras ácidas. Não era para menos. Todos nós conhecemos a obra de engenharia política montada para alçar um ex-operário, do andar de baixo, ao mais alto posto do Executivo Nacional, o de Presidente da República. Com muita propriedade, vez por outra, Lula reconhece as concessões oferecidas ao capital, como a tese - nunca contestada - de que os bancos foram as instituições que tiveram lucros estupendos durante o seu Governo, possivelmente maior do que aqueles lucros obtidos em governos mais afinados com o status quo econômico. O Santander deu uma guinada de 360 graus atrás, ao remontar aquela espécie de terrorismo do qual foi vítima o próprio Lula, anos atrás, quando o banqueiro Olavo Setúbal, do Banco Safra, informou à comunidade financeira de que haveria uma diáspora do capital caso aquele operário fosse eleito. Que mancada!!!

Tijolinho do Jolugue: Justiça, de fato, para preto, pobre e putas.

O blog publica hoje um artigo assinado por Lincoln Secco, publicado originalmente no site Viomundo, abordando a prisão de Rafael Braga, um morador de rua, usuário de drogas, negro, sem amigos influentes, o único caso de um preso em razão dos protestos realizados no país, em junho de 2013. Rafael não conta com a famosa rede de proteção social, aspecto que contribui bastante para que um cidadão torne-se mais ou menos vulnerável à aplicação da Lei.

Foto: Rafael, único preso pelos protestos de rua de 2013

O blog publica hoje um artigo assinado por Lincoln Secco, publicado originalmente no site Viomundo, abordando a prisão de Rafael Braga, um morador de rua, usuário de drogas, negro, sem amigos influentes, o único caso de um preso em razão dos protestos realizados no país, em junho de 2013. Rafael não conta com a famosa rede de proteção social, aspecto que contribui bastante para que um cidadão torne-se mais ou menos vulnerável à aplicação da Lei.

Tijolinho do Jolugue: Geraldo Júlio aguenta o tranco?

A montagem da equipe que cuida da campanha do candidato Paulo Câmara(PSB) ao Governo do Estado, ao longo de uma campanha que não decola, já sofreu algumas baixas. A última delas é a de Renato Thièbaut, que foi "convocado" para atuar na campanha nacional do candidato à Presidência da República, Eduardo Campos(PSB), uma espécie de padrinho político de Câmara. O Jornal do Commércio, até recentemente, trouxe uma matéria sobre as dificuldades de Câmara na região metropolitana do Recife que, de acordo com o Dataliba, é uma região decisiva no próximo pleito. Poucos eleitores o reconhecem, como ficou evidente numa caminhada no bairro da Campina do Barreto. A rigor, desde de que foi lançada, na realidade, essa candidatura enfrenta muitas dificuldades e, quase sempre, nessas ocasiões, a culpa é sempre dos marqueteiros ou dos coordenadores de campanha. Gostaria muito de saber quem está acertando o "passo" nessa campanha de Paulo Câmara. Hoje saiu a informação pela imprensa de que o prefeito do Recife, Geraldo Júlio, assume a função de "bater" no candidato da oposição, o senador Armando Monteiro, evitando, assim, um desgaste maior de Paulo. Tenho lá minhas dúvidas se essa e foi uma boa escolha. Apesar de ter tomado gosto pela política, até recentemente, o atual prefeito do Recife não passava de um técnico. Corre o risco de ser "engolido" pelo trator SC, este sim, sempre pronto para entrar no ringue dos embates abaixo da linha de cintura.

Foto: Geraldo Júlio não seria um bom nome para o embate abaixo da linha de cintura.

A montagem da equipe que cuida da campanha do candidato Paulo Câmara(PSB) ao Governo do Estado, ao longo de uma campanha que não decola, já sofreu algumas baixas. A última delas é a de Renato Thièbaut, que foi "convocado" para atuar na campanha nacional do candidato à Presidência da República, Eduardo Campos(PSB), uma espécie de padrinho político de Câmara. O Jornal do Commércio, até recentemente, trouxe uma matéria sobre as dificuldades de Câmara na região metropolitana do Recife que, de acordo com o Dataliba, é uma região decisiva no próximo pleito. Poucos eleitores o reconhecem, como ficou evidente numa caminhada no bairro da Campina do Barreto. A rigor, desde de que foi lançada, na realidade, essa candidatura enfrenta muitas dificuldades e, quase sempre, nessas ocasiões, a culpa é sempre dos marqueteiros ou dos coordenadores de campanha. Gostaria muito de saber quem está acertando o "passo" nessa campanha de Paulo Câmara. Hoje saiu a informação pela imprensa de que o prefeito do Recife, Geraldo Júlio, assume a função de "bater" no candidato da oposição, o senador Armando Monteiro, evitando, assim, um desgaste maior de Paulo. Tenho lá minhas dúvidas se essa e foi uma boa escolha. Apesar de ter tomado gosto pela política, até recentemente, o atual prefeito do Recife não passava de um técnico. Corre o risco de ser "engolido" pelo trator SC, este sim, sempre pronto para entrar no ringue dos embates abaixo da linha de cintura.

domingo, 27 de julho de 2014

Tijolinho do Jolugue: A "tara" dos neo-socialistas tupiniquins pelo Tribunal de Contas do Estado.

Eu tenho um estudo - ainda não concluído - sobre a "tara" dos ditos neo-socialistas pernambucanos em relação ao Tribunal de Contas do Estado. Muito mais do que um estudo, isso merece inúmeros questionamentos, a começar por uma avaliação consistente, do ponto de vista jurídico/republicano, no que concerne aos aspectos legais e éticos dessa união. Até recentemente, o prefeito da cidade do Recife - depois de uma grita generalizada da opinião pública - precisou renunciar ao recebimento de um dos salários, o de prefeito e o de servidor daquele órgão, até então acumulados. Boas análises não faltam em nosso blog sobre a gestão socialista, em seus múltiplos aspectos, oriundas de pessoas muito bem-qualificadas, de centros de excelência como a UFPE. Há análises sobre o familismo amoral, sobre o caráter da meritocracia neo-socialista, sobre os problemas na saúde, em relação ao meio-ambiente, mas, a rigor, a relação com o TCE é um tema que precisa ser aprofundado, conforme já afirmamos. O TCE bloqueou as contas da Secretaria de Educação do Município em razão de encontrar irregularidades em licitações. Para surpresa de todos, no momento seguinte, foi nomeado para dirigir aquele órgão um servidor do TCE. Que coisa curiosa. Ao comentar o assunto, um internauta nos informou que este não seria um caso único. Haveria, segundo o internauta, muitos servidores do órgão na PCR.

Foto: Curiosa essa "tara" dos neo-socialistas do Estado pelo pessoal do Tribunal de Contas. 

Eu tenho um estudo - ainda não concluído - sobre a "tara" dos ditos neo-socialistas pernambucanos em relação ao Tribunal de Contas do Estado. Muito mais do que um estudo, isso merece inúmeros questionamentos, a começar por avaliação consistente, do ponto de vista jurídico/republicano, no que concerne aos aspectos legais e éticos dessa união. Até recentemente, o prefeito da cidade do Recife - depois de uma grita generalizada - precisou renunciar ao recebimento de um dos salários, o de prefeito e o de servidor daquele órgão. Boas análises não faltam em nosso blog sobre a gestão socialista, em seus múltiplos aspectos, oriundas de pessoas muito bem-qualificadas, de centros de excelência como a UFPE. Há análises sobre o familismo amoral, sobre o caráter da meritocracia neo-socialista, sobre os problemas na saúde, em relação ao meio-ambiente, mas, a rigor,  a relação com o TCE é um tema que precisa ser aprofundado, conforme já afirmamos. O TCE bloqueou as contas da Secretaria de Educação do Município em razão de encontrar irregularidades em licitações. Para surpresa de todos, no momento seguinte, foi nomeado para dirigir aquele órgão um servidor do TCE. Que coisa curiosa. Ao comentar o assunto, um internauta nos informou que este não seria um caso único. Haveria, segundo o internauta, muitos servidores do órgão na PCR.

Tijolinho do Jolugue: Suassuona ou Suassuna? O cara quase produzia um ensaio sobre o assunto.


É a mídia, Dilma. É a Mídia. Esse é o título de um artigo publicado no Portal Carta Maior, onde o articulista analisa as dificuldades enfrentadas pela presidente em relação a alguns meios de comunicação, explicitamente sabotadores do seu Governo, comprometidos que são com os setores mais reacionários e conservadores da sociedade brasileira, consorciados com as manobras escusas do capital internacional para retomar o controle político do Governo brasileiro nas próximas eleições. Jornalista de um desses grandes jornalecos fez um estardalhaço danado em torno de uma música de Capiba, cantada durante cerimônia realizada no Palácio do Campo das Princesas, por ocasião das homenagens ao escritor Ariano Suassuna. A música foi cantada pelos presentes simplesmente porque sempre foi identificada com o escritor, que costumava cantarolá-la em eventos, campanhas políticas das quais participou ou durante as suas aulas-espetáculo. Nada mais. A família precisou publicar um nota pública, esclarecendo esse descuidado e mal-intencionado jornalista. Agora foi o colunista de uma revista de publicação nacional ater-se ao fato de a presidente ter escrito errado o nome do escritor pelo microblog Twitter, em seu perfil - possivelmente não alimentado por ela - tratando seu sobrenome de SUASSUONA. Quanta bobagem! O cara quase produzia um ensaio sobre o assunto.

Foto: Suassuona ou Suassuna? O cara quase produzia um ensaio sobre o assunto.

É a mídia, Dilma. É a Mídia. Esse é o título de um artigo publicado no Portal Carta Maior, onde o articulista analisa as dificuldades enfrentadas pela presidente em relação a alguns meios de comunicação, explicitamente sabotadores do seu Governo, comprometidos que são com os setores mais reacionários e conservadores da sociedade brasileira, consorciados com as manobras escusas do capital internacional para retomar o controle político do Governo brasileiro nas próximas eleições. Jornalista de um desses grandes jornaleco fez um estardalhaço danado em torno de uma música de Capiba, cantada durante cerimônia realizada no Palácio do Campo das Princesas, por ocasião das homenagens ao escritor Ariano Suassuna. A música foi cantada pelos presentes simplesmente porque sempre foi identificada com o escritor, que costumava cantarolá-la em eventos, campanhas políticas das quais participou ou durante as suas aulas-espetáculo. Nada mais. A família precisou publicar um nota pública, esclarecendo esse descuidado e mal-intencionado jornalista. Agora foi o colunista de uma revista de publicação nacional ater-se ao fato de a presidente de escrito errado o nome do escritor pelo microblog Twitter, tratando seu sobrenome de SUASSUONA. Quanta bobagem! O cara quase produzia um ensaio sobre o assunto.

Tijolinho do Jolugue: A bomba de chocolate de Sininho

Até bem pouco tempo existia a figura da presunção de inocência. Nesses tempos bicudos, de desrespeito aos direitos individuais e coletivos e endurecimento do exercício do poder político, afirma-se as prisões preventivas e a presunção de culpa.

Foto: Até bem pouco tempo existia a figura da presunção de inocência. Nesses tempos bicudos, de desrespeito aos direitos individuais e coletivos e  endurecimento do exercício do poder político, afirma-se as prisões preventivas e a presunção de culpa.

sexta-feira, 25 de julho de 2014

Ariano Suassuna: Esquerda e direita

ariano suassuna esquerda direita política
Ariano Suassuna
Por Ariano Suassuna
Não concordo com a afirmação, hoje muito comum, de que não mais existem esquerda e direita. Acho até que quem diz isso normalmente é de direita.
Talvez eu pense assim porque mantenho, ainda hoje, uma visão religiosa do mundo e do homem, visão que, muito moço, alguns mestres me ajudaram a encontrar. Entre eles, talvez os mais importantes tenham sido Dostoiévski e aquela grande mulher que foi santa Teresa de Ávila.
Como consequência, também minha visão política tem substrato religioso. Olhando para o futuro, acredito que enquanto houver um desvalido, enquanto perdurar a injustiça com os infortunados de qualquer natureza, teremos que pensar e repensar a história em termos de esquerda e direita.
Temos também que olhar para trás e constatar que Herodes e Pilatos eram de direita, enquanto o Cristo e são João Batista eram de esquerda. Judas inicialmente era da esquerda. Traiu e passou para o outro lado: o de Barrabás, aquele criminoso que, com apoio da direita e do povo por ela enganado, na primeira grande “assembléia geral” da história moderna, ganhou contra o Cristo uma eleição decisiva.
De esquerda eram também os apóstolos que estabeleceram a primeira comunidade cristã, em bases muito parecidas com as do pré-socialismo organizado em Canudos por Antônio Conselheiro. Para demonstrar isso, basta comparar o texto de são Lucas, nos “Atos dos Apóstolos”, com o de Euclydes da Cunha em “Os Sertões”. Escreve o primeiro: “Ninguém considerava exclusivamente seu o que possuía, mas tudo entre eles era comum. Não havia entre eles necessitado algum. Os que possuíam terras e casas, vendiam-nas, traziam os valores das vendas e os depunham aos pés dos apóstolos. Distribuía-se, então, a cada um, segundo a sua necessidade”. Afirma o segundo, sobre o pré-socialismo dos seguidores de Antônio Conselheiro: “A propriedade tornou-se-lhes uma forma exagerada do coletivismo tribal dos beduínos: apropriação pessoal apenas de objetos móveis e das casas, comunidade absoluta da terra, das pastagens, dos rebanhos e dos escassos produtos das culturas, cujos donos recebiam exígua quota parte, revertendo o resto para a companhia” (isto é, para a comunidade).
Concluo recordando que, no Brasil atual, outra maneira fácil de manter clara a distinção é a seguinte: quem é de esquerda, luta para manter a soberania nacional e é socialista; quem é de direita, é entreguista e capitalista. Quem, na sua visão do social, coloca a ênfase na justiça, é de esquerda. Quem a coloca na eficácia e no lucro, é de direita.
Ariano Suassuna (1927 – 2014)
(Publicado originalmente no site Pragmatismo Político)

Afinal, João Grilo era um socialista?




A imprensa, de um modo geral, cometeu muitos equívocos em relação à doença e morte do escritor paraibano Ariano Suassuna. Em alguns casos, parecia até haver uma torcida por sua morte, o que gerou uma concorrência macabra entre os veículos, alguns deles, literalmente, "matando" o escritor antes mesmo do anúncio oficial de sua morte. Um conhecido blogueiro nacional, ligado a um desses grandes veículos, comunicou que a morte do escritor era uma questão de horas, o que, de fato, acabou se confirmando, mas, essa "premonição" não caiu muito bem do ponto de vista da ética profissional.O açodamento era tão evidente que ele acabou editando a postagem com erros crassos de ortografia. O enredo nefasto foi concluído ontem - assim espero - no momento do enterro do escritor, no cemitério Morada da Paz, em Paulista. A presidente Dilma - que nos bons tempos das orgias gastronômicas da residência de Dois Irmãos - não resistia aos causos do escritor durante as sobremesas - fez um esforço danado para estar presente durante as últimas homenagens ao escritor. Houve um momento em que foi entoada a música de Capiba, Madeira de Lei que Cupim não Rói, muito identificada com o escritor, que chegou a cantarolá-la durante algumas campanhas políticas no Estado, em apoio a João Paulo e Eduardo Campos. Daí ao repórter concluir que se tratava do "Hino de Eduardo" e que a presidente Dilma teria passado uma saia-justa no momento em que os presentes cantaram a música símbolo de um clube carnavalesco recifense, vai uma longa distância. O episódio ocorreu durante a cerimônia no Palácio do Campo das Princesas. O coro teria sido "puxado" pelos familiares do ex-governador e candidato à Presidência da República. A música não é de Eduardo Campos nem houve alguma tentativa de constranger a presidente. Politicamente, Ariano é um personagem ainda a ser decifrado. Entre as pretensões do Movimento Armorial, por exemplo, estava a tentativa de tornar erudita a cultura popular do Nordeste, uma empresa com alguns apontamentos críticos de autores que se debruçaram sobre a análise de sua Obra. O que vem se observando na realidade - como apontou o professor Michel Zaidan em artigo publicado no blog - é uma tentativa perpetrada pelos neo-socialistas tupiniquins de se apropriarem do seu legado, instrumentalizando a figura pública do escritor com finalidades políticas. Essa engrenagem, inclusive, não é nova. Está em curso já faz algum tempo. De socialista, como conclui Michel, essa turma não tem nada. Mas, da esperteza, do jogo de cintura, do fingimento, da malandragem de João Grilo, eles têm de sobra.

quinta-feira, 24 de julho de 2014

Cátia Guimarães: 20 anos depois, a imprensa ainda é o braço da ditadura


publicado em 21 de julho de 2014 às 21:32
carla
Lembram-se do caso de Carla Hirt? Esta foto, onde ela não aparece — nem o marido — saiu em O Globo. Leiam a legenda. O casal, segundo o jornal, participou de quebra-quebra no Leblon, do qual Carla e o marido não participaram. Ela foi denunciada por “formação de quadrilha” com desconhecidos. Depois de O Globo fazer escândalo, o caso foi arquivado.
PRISÕES NO RIO DE JANEIRO
Imprensa renova instrumentos da ditadura
Por Cátia Guimarães*  em 15/07/2014 na edição 807, Observatório da Imprensa
Passaram-se mais de 20 anos, mas a grande imprensa brasileira não desaprendeu o seu papel como braço da ditadura. Os personagens são outros, mas aqueles velhos instrumentos que ajudam a explicar por que se fere a democracia em nome da própria democracia estiveram sempre guardados e continuam afiados, exatamente como em 1964. Não há maior evidência disso do que a cobertura que os grandes jornais fizeram das prisões de manifestantes efetuadas no último dia 12/7, véspera da final da Copa do Mundo no Brasil.
Numa ação orquestrada entre executivo e judiciário, foram expedidos 26 mandados de prisão temporária preventiva contra cidadãos que não cometeram nenhum crime, além de, em algum momento, uns mais, outros menos, terem participado de manifestações nas ruas.
Sustentando a acusação de formação de quadrilha, a polícia civil não teve nenhuma vergonha em declarar que o motivo das prisões foi evitar que eles cometessem crimes que se supunha que cometeriam. Mas o que é pior: veículos de comunicação e profissionais que julgam fazer jornalismo também não tiveram a mínima vergonha de repetir, de forma naturalizada, não só esse argumento como coisa muito pior.
O principal artifício ressuscitado dos tempos da ditadura escancarada foi a criação de um inimigo público, aquele cujo perigo justifica toda e qualquer violência e arbitrariedade. Houve muitos durante o regime empresarial-militar. Mas o mais novo inimigo público inventado pelo regime empresarial-falsamente democrático chama-se Elisa Quadros e atende pelo apelido de Sininho.
Não por acaso, a chamada de quase todos os grandes jornais não informava a prisão de dezenas de manifestantes, destacando apenas a situação dessa personagem renascida dos porões da ditadura. “Sininho é presa por formação de quadrilha”, diz a capa do Globo de domingo, 13/7. O “resto” aparece embaixo, em letras menores, como uma rápida referência a “outras 18 pessoas”.
E isso basta, principalmente porque, também como na ditadura explícita, a imagem do inimigo público está sempre acompanhada da vítima a ele atribuída, direta ou indiretamente. Nesse caso, a vítima (real, mas de outros algozes, e não me refiro aos que foram presos por este crime), instrumentalizada como carniça de urubu, é Santiago Andrade, o cinegrafista da Rede Bandeirantes que foi morto por um morteiro em uma manifestação.
Aos fatos
Não importa que nem a inimiga pública de agora nem nenhum dos outros presos tenha relação com a morte: no imaginário cuidadosamente construído, os estereótipos dão conta das relações que a realidade insiste em negar. Foi por isso que o Globo, além do nome e da foto da inimiga pública da vez, tratou de providenciar uma coluna de “memória” intitulada “Onda de violência acabou em morte”, que lembra exatamente o caso do cinegrafista.
Com isso, todo o resto – toda a falta de informação, todas as falsas evidências, todos os argumentos absurdos, toda a vergonha alheia que a entrevista coletiva da cúpula da polícia civil no Rio provocou – pode ser jogado para debaixo do tapete.
Trata-se de uma postura consciente por parte do jornal, passiva e conivente por parte dos jornalistas que aceitam ser seus cúmplices, e muito eficaz no papel ideológico que desempenha junto à massa de leitores ou telespectadores. Junto com o inimigo público, vão-se outras dezenas de vidas, vai-se o respeito às leis, vai-se a máscara do Estado de direito.
Se estivesse vivo, talvez Roberto Marinho repetisse os termos do seu editorial de 1984, deixando “clara a sua crença de que a intervenção fora imprescindível para a manutenção da democracia e, depois, para conter a irrupção da guerrilha urbana”, nome genérico usado, naquele tempo e ainda hoje, para designar o estranho fenômeno do povo ocupando as ruas.
Sejamos claros: um jornalista que não só aceita como passa adiante a informação de que a polícia encontrou provas “robustas e consistentes” de que os prisioneiros cometeriam ações violentas na final da Copa, sem confrontar os adjetivos com as evidências materiais, não vale o diploma nem o crachá que exibe, seja ele qual for.
Seria cômico, se não se estivesse falando de vidas privadas de liberdade, ver um jornal como O Dia reproduzir, no melhor estilo de narrativa policial, que “os investigadores apreenderammáscaras de proteção contra gás, joelheiras, um pouco de gasolina dentro de uma garrafa plástica, maconha, jornais e uma bandeira do Movimento Estudantil Popular Revolucionário (MEPR)”.
Seria incompetência, se não fosse desonestidade, ver um jornal como o Globo escolher, dessa lista no mínimo constrangedora, os itens que, por exporem um pouco menos o ridículo da situação, mereceriam destaque nas suas páginas.
Assim, sobraram as “máscaras de gás e explosivos, além de computadores e celulares”. Computadores e celulares, como todo mundo sabe, são armas perigosíssimas. Máscaras que protegem os olhos dos efeitos do gás lacrimogêneo para uso em manifestações acompanhadas por uma polícia como a do Rio de Janeiro também são uma descoberta típica das séries de detetives norte-americanas.
Sobre o explosivo, esse foi o nome genérico oportunamente encontrado para descrever uma garrafa com gasolina, encontrada não numa mochila no meio da rua ou de uma manifestação, mas dentro de uma residência. Nenhum jornal esqueceu de mencionar que as prisões em flagrante foram por “arma” (ou revólver, dependendo do gosto do jornalista) e “drogas”.
Pois bem: como foi amplamente divulgado por veículos que se disseminam nas redes sociais – aqueles que os jornalistas da grande imprensa costumam tratar como não-jornalísticos –, a arma foi encontrada em uma das casas e era do pai do menor em nome de quem estava expedido um dos mandados.
Sua licença – porte de arma – estava vencida, o que pode gerar outro processo e outra matéria, mas não tem nenhuma relação com a prisão que os policiais foram fazer naquela casa. Por fim, as “drogas” encontradas foram um cigarro de maconha que, como se sabe, pelas propriedades cientificamente conhecidas, deve tornar os manifestantes ainda muito mais violentos. Curiosamente, os jornais esqueceram essa parte da história.
A imprensa alternativa que ocupa as redes sociais denunciou desde muito cedo, advogados e políticos se pronunciaram, instituições importantes e reconhecidas da tão aclamada democracia, como a OAB, emitiram notas que ganharam espaço no pé das matérias, apresentadas como manifestação de “repúdio” às prisões, num mero registro protocolar do “outro lado” jornalístico.
A referência ao objetivo evidente de desmobilizar os protestos do dia seguinte – cujo grau insano de repressão e violência só chegou às páginas da grande imprensa porque alguns de seus jornalistas foram atingidos – foi citada de escanteio, como a “opinião” de alguns, nunca como insumo para se questionarem as fontes oficiais.
Nenhum jornalista ousou fazer (ou nenhum jornal ousou publicar) o mínimo que se espera de um profissional da informação, que é usar os conhecimentos jurídicos dessas instituições e seus atores para questionar a legalidade e o fundamento da operação policial e os mandados de prisão.
Ninguém investigou e explicou a real funcionalidade e pertinência jurídica de uma prisão temporária de caráter preventivo; ninguém comparou a precaução da polícia e da justiça nessa situação com a oposta complacência mostrada, dias antes, quando um alvará de soltura expedido no meio da madrugada fez do executivo da empresa ligada à Fifa – cidadão inglês, sem domicílio fixo no país e preso com provas muito mais “robustas e consistentes” de formação de uma quadrilha de cambistas – um foragido.
Um consenso em torno da coerção necessária
É cada vez mais concreto o quanto essa noção abstrata de democracia e o seu correspondente Estado de direito são dois elementos circulares de uma farsa produzida para manter ou estabilizar as relações de dominação.
Em nome da democracia e do Estado de direito, vale tudo, até ferir a democracia e o Estado de direito, desde que se faça isso através de instituições como a polícia, o judiciário e a imprensa, que compõem o Estado de direito garantidor da democracia.
Há muito que a tradição marxista sabe que a forma assumida pelo Estado – democracia, ditadura, monarquia… – representa variações coerentes com a correlação de forças e o grau de hegemonia vigente em cada local, em cada contexto histórico, mas que, em todas essas situações, a função do Estado é garantir, com as armas que estiverem disponíveis, os interesses da classe dominante.
Por isso, no capitalismo, a combinação de mecanismos de cooptação e consenso nos regimes ditatoriais com mecanismos de violência e coerção nos contextos democráticos é e sempre será parte do jogo.
Isso se expressa de forma muito direta na grande imprensa que é, também, instrumento da democracia burguesa. Por isso, ela pode pluralizar seus públicos, diversificar os colunistas, usar de vez em quando uma imagem produzida por midiativistas, denunciar um senhor aqui, ajudar a prender um policial violento acolá.
Pode até escrever e ler em voz alta um belo editorial de mea culpa, lamentando seu apoio à ditadura encerrada. Mas sempre que for preciso, ela vai afiar as ferramentas, espalhar a poeira, tirar a ferrugem e usar todas as armas de que dispuser para, em nome da democracia, legitimar um consenso em torno da coerção necessária. Está no seu DNA.
*Cátia Guimarães é jornalista
Para quem quiser uma leitura acadêmica da capa dos jornais do Rio, a sugestão a seguir é da Conceição Oliveira, aqui.

(Publicado originalmente no site Viomundo)

Ariano Suassuna: O último mandarim da Cultura Popular do Nordeste



Por Michel Zaidan Filho

A  expressão "mandarim" foi empregada para designar a geração dos grandes intelectuais alemães que  emigraram para os EE.UUs., fugindo da perseguição nazi-fascista na Alemanha. Nesse sentido, "mandarim" tem algo da autoridade que a sabedoria, a cultura e a tradição da velha Europa tinha produzido através das figuras exponenciais da Escola de Franckfurt:  Adorno, Benjamin, Marcuse, Horkheimer etc. No caso brasileiro, o uso da palavra que designar os intelectuais que criaram a ideia da Cultura Brasileira e, mais especificamente, da Cultura Popular...do Nordeste. Entre eles, destaca-se sem sombra de dúvida o nome do escritor paraibano Ariano Suassuna.

                              Muito se escreveu e se disse sobre a rica e múltipla obra de Ariano. Ela conta hoje com uma fortuna crítica invejável. Sobretudo, a obra teatral do escritor: a farsa da boa preguiça, o julgamento da porca, o auto da compadecida, uma mulher vestida de sol. A obra romanesca propriamente dita é pequena. O livro mais importante é o romance da Pedra do  Reino. Há os poemas, que Ariano tinha muito pudor em publicar. Há a tese universitária sobre a Cultura Brasileira, que ele nunca publicou. E tem as xilogravuras e pinturas produzidas por ele.
                             Tudo tem a sua importância relativa no contexto da obra do autor. Mas sua importância vai além dessa obra. Ela cresce  exatamente pela influência que exerceu em muitos lugares (da mídia) como uma certa ideia de cultura brasileira (a tese), ou cultura popular (nos textos pro gramáticos sobre o teatro e as montagens teatrais), desde a época do Teatro do Estudante e o Teatro Popular do Nordeste, juntamente com a figura de Hermilo Borba Filho. O  criador dessa "Cultura Popular", que junta a literatura de cordel, os espetáculos circenses, a literatura picaresca ibérica e a literatura brasileira (Sílvio Romero, Guimarães Rosa, Euclides da Cunha). A síntese é improvável, mas foi avocada para si, o escritor paraibano, com a fonte de sua literatura e visão de mundo.
                            Já tive inúmeras oportunidades de tratar dessa obra. Inclusive no livro "O fim do Nordeste e outros mitos". Mas Ariano nunca manifestou nenhum desagrado ou ira em relação a essas críticas. Coisa que não fez com Celso Marconi e Jomard de Britto. Talvez por ser seu colega de Universidade, no departamento de História. A última vez que o  avistei foi na posse do secretariado de Eduardo Campos. Ele me abraçou por trás e pensei que se tratasse de Nilton Carneiro, pela leve semelhança física entre os dois.
                            Como dizia Nietzsche,  uma grande obra não quer se adulada. Quer ser discutida, avaliada, desconstruída criticamente. Essa é a homenagem que o leitor presta ao escritor. Assim vai aqui a minha homenagem ao escritor falecido ontem.
                            0 núcleo racional do "anticapitalismo rural" da obra de Ariano opõe uma cultura cosmopolita, litorânea dos ricos e poderosos contra uma cultura dos pobres, humildes, os sertanejos do interior, nunca integrados ao mercado capitalista e aos ritos do Estado republicano. A cultura deste estrato social é o messianismo, a espera do encantado, de D. Sebastião. Sua política é a monarquia. Esses sertanejos pobres e abandonados pela plutocracia republicana do litoral tem o seu herói civilizador em João Grilo, o amarelinho da zona da mata, primo brasileiro de Pedro malasartes. As armas desse herói são a astúcia, a malícia, o jogo de cintura, a ironia, a esperteza. O nosso herói picaresco vence todas através da "lábia", da conversa fiada, dos estratagemas de malandro. Mas não é um herói negativo, um anti-herói, como Macunaima ou Jeca Tatu. Segundo Ariano, é um herói positivo, modelar, um ícone da cultura popular do nordeste.
                           Esse herói picaresco já foi objeto de muitas críticas, tanto quanto a própria idéia de cultura popular defendida por Ariano Suassuna: rural, pré-moderna, apolítica e individualista. Mas as últimas posições públicas de Ariano Suassuna em matéria de partidos e ideologias políticas mostram que o escritor estava mudando: abandonando o trama do assassinato do pai pela Revolução de 30 e se aproximando das idéias modernas de política e cultura. Prova disso foi sua aproximação com o mangue beat. E suas inclinações para o campo da esquerda.
                          Lamentavelmente, essa evolução foi truncada pela instrumentalização política do PSB e de seu chefe-candidato. O uso político-propagandístico da obra de Ariano pelo PSB não acrescentou nada ao valor e a importância dessa obra. Mas agregou valor a um partido, a um candidato e a uma ideologia que de socialista não tem absolutamente nada. Quanto mais de popular ou sertaneja. Sobra o elemento picaresco. Talvez de picaresca  tenha muito  semelhança com o herói de Ariano Suassuna.

Michel Zaidan Filho é filósofo, historiador e professor da Universidade Federal de Pernambuco.

Michel Zaidan Filho: Crimes de guerra






0 Alto Comissariado das Nações Unidas para os direitos humanos decidiu abrir uma investigação para apurar a suspeita de crimes de guerra cometidos pela Estado de Israel contra os refugiados palestinos na Faixa de Gaza. Depois dos 600 mortos, incluindo 157 crianças, vítimas do bombardeio por terra e por ar das tropas israelenses, finalmente a instituição parece se convencer que há algo de errado nessa carnificina de inocentes e desprotegidos. Acrescente-se que os refugiados dos territórios palestinos ocupados militarmente pelos soldados judeus, não têm para onde ir, já que Israel controla a fronteira da Palestina com o Egito. Então é a morte certa daqueles, indefesos, que não podem sair do teatro de guerra produzido pelas armas e bombas do Estado de Israel.
É certo que os dirigentes do Estado judeu não se preocupam com a condenação formal da ONU ou do TIP em relação ao massacre e ao genocídio do povo palestino. Mais uma vez, vão dizer que se trata da sua sobrevivência. Mas o efeito moral  dessa condenação na opinião pública internacional levará a uma onde de protestos no mundo inteiro contra a Shoan dos refugiados palestinos na Faixa de Gaza e na Cisjordânio ou no sul do Líbano.  De toda maneira, as vozes humanitárias e justas não podem se calar diante desse genocídio. Há muito tempo, o Estado Judeu deixou de ser objeto da rememoração do holocausto, para se tornar uma potência militar - apoiada pelos americanos -  agressora e expansionista. O objetivo de Israel é inviabilizar a sobrevivência dos palestinos, nos territórios ocupados, e anexá-los ao seu território, como aliás já vem fazendo com a construção de uma muralha ilegal, que avança nos territórios palestinos, retalhando-os. A atual investida militar é a comprovação dessa escalada anexacionista, que só vai parar com  a  morte ou a expulsão da população palestina de seus territórios. Quarta-feira, dia 30 de julho, realizar-se-á um ato de solidariedade às vítimas dos bombardeios de Israel, em frente à Faculdade de Direito do Recife, às 13:00. Todos devem apoiar essa causa humanitária, antes que seja tarde demais.

Michel Zaidan Filho é historiador, filósofo e professor da Universidade Federal de Pernambuco